Ser afrofuturista

March 29, 2015

 

 

“a inspiração para o novo projeto vem sendo objeto de pesquisa há três anos: a obra cênico-musical de sun ra e grace jones, a ficção científica literária de octávia butler, a performance musicada de itamar assunção e a alquimia espacial de jorge ben jor. ou mesmo a nossa versão brasileira bem contemporânea de afro-futuro mais conhecida como os registros de chico science e a nação zumbi, alceu valença, ou as lendas amazônicas de encontros com extra-terrenos ou os espaço-acústicos super complexos de algumas faixas do clube da esquina remontam pra mim e creio que pra toda a minha geração novas possibilidades discursivas em canção”, afirma a cantora ellen oléria quando perguntada sobre os novos rumos de seu projeto. e continua:

 

“a partir da consciência da elaboração do mundo dos sonhos, da ficção, e eu acredito que um texto poético cheio de metáforas nos aproxima da ficção, o afrofuturismo explora um novo futuro para a raça negra, focando produções já presentes no imaginário negro  no grafite, na arte gráfica, na música, principalmente eletrônica. mas não é essa música eletrônica como produto que me interessa, mas sim como poderemos utilizar os recursos tecnologicos de produção de som sem abandonar os elementos mais orgânicos da nossa música tradicional. ao ressignificar esse som (timbres, interferir nos grooves…) ressignificamos o mundo. estive escrevendo bastante pensando em ficção. temos algumas experiências em estúdio que também ajudam a apontar os rumos desse laboratório”.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

28/02/2015

Please reload

Siga

© Todos os direitos reservados para Carne Dura Produções. Site criado por Agência KABE.